domingo, 31 de maio de 2009

Libélulas

As libélulas me fascinam! Nunca me canso de observá-las voando de um lado para o outro, fazendo voltas bruscas, planando como os helicópteros. São coloridas, elegantes, leves e muito rápidas. Estão sempre agitadas, voando em alta velocidade e com muita pressa. Fazem tudo na maior carreira, visto que só têm dois meses para achar seus parceiros, acasalar e por ovos. A vida das libélulas começa na água. As adultas escolhem as águas limpas para por os ovos. São perfeitas bio-identificadoras da qualidade ambiental. Onde houver libélula a água é limpa. Depois de umas três semanas, as larvas, ou ninfas, emergem dos ovos e passam a maior parte de suas vidas submersas em ambientes aquáticos; lagos, riachos, charcos, etc. Nadam, mas não voam. Não ainda. Antes de saírem por aí voando, elas passam por várias metamorfoses, até virarem uma naiade. Uma bela noite, depois de um ano, um ano e meio, as larvas abandonam a água, vão até a superfície e, imóveis, esperam durante horas e horas pela última mudança de suas vidas, a última metamorfose; passam do estado larvar para a fase adulta. Mudam de forma e estrutura. O processo de rompimento do exoesqueleto é muito lento e mais lento ainda é a secagem das asas. Uma vez solidificadas, suas asas, estão prontas para executar a primeira decolagem. A partir desse momento voam até morrer. Essa vida alada dura somente alguns meses ou algumas semanas. O tempo de vida aérea é curto demais – uns 15% do tempo total. Por isso fazem tudo a toda pressa. São extremamente ágeis e percebem o inimigo num piscar de olhos. Por falar em olhos, essas criaturinhas possuem dois enormes olhos compostos, ou seja, milhares de olhos menores dentro dos olhos maiores e que são usados como radar. Essa característica, própria de todos os insetos, lhes garante uma acuidade visual extraordinária. Elas possuem patas, mas não foram feitas para andar. Servem somente para o pouso e para segurar as presas. São carnívoras, comem libélulas menores, abelhas, moscas, besouros, etc. Lava-bunda, lavandeira, cavalinho-do-diabo são apenas alguns dos muitos apelidos que damos a essas criaturas fascinantes.

2 comentários:

Chorik disse...

Gostam de água limpa. Deve ser por isso faz horas que não vejo uma por aqui!

Maria Elisabeth disse...

Olá Chorik,
É isso aí. As libélulas não gostam de águas sujas.

Um abração.